‘Momentum’ destaca espiritualidade das obras de Arvo Pärt e Jóhann Jóhannsson, no Teatro Amazonas

Concerto reúne Orquestra de Câmara do Amazonas e Balé Experimental do Corpo de Dança do Amazonas, nesta sexta-feira (30/11)

Mitos gregos, o processo de luto e o espiritual fazem parte da construção do concerto “Momentum”, que será apresentado pela Orquestra de Câmara do Amazonas (OCA) e pelo Balé Experimental do Corpo de Dança do Amazonas (CDA), na sexta-feira (30/11), no Teatro Amazonas, Centro de Manaus. A apresentação promovida pelo Governo Amazonino Mendes, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), terá entrada gratuita, regência do maestro Marcelo de Jesus e estreia da coreógrafa Pammela Fernandes.

As obras escolhidas para o concerto são de compositores contemporâneos – Arvo Pärt e Johánn Johannsson, um dos focos da OCA, segundo o maestro Marcelo de Jesus. Pärt remete ao pós-minimalismo, não se encaixando em nenhum dos termos da música atual, conforme de Jesus; Jóhannsson, compositor irlandês que já realizou diversas trilhas sonoras, como do filme “A Chegada” (2016), tem um estilo que mistura orquestração tradicional com elementos eletrônicos.

Apesar de mundos diferentes, as obras selecionadas – três obras para corda de momentos distintos da carreira de Pärt e composições do álbum “Oprhée” de Johannsson – remetem ao espiritual, explica o regente titular da OCA. “Pärt tem uma técnica completamente particular e Johannsson trabalha não só com instrumento de cordas, mas com interferências, como sons de frequência de rádio, ou sons gravados e depois editados, ele propõe um cenário sonoro, quase lisérgico, mas os dois se aproximam de uma música que remete muito à espiritualidade, não de modo fúnebre, mas de forma harmônica”, declara Marcelo de Jesus.

O maestro destaca o encontro com Arvo Pärt, em Paris, após uma das apresentações do compositor estoniano. Na capital francesa, Marcelo de Jesus também gravou um dos sons que será usado nas obras de Jóhannsson: o sino da Basílica de Sacré-Coeur. “Jóhannsson pede para colocar esses sons distorcidos, então editei o som do sino, o tornando mais lento, fazendo com que você ouça algo completamente diferente. Este é apenas um dos exemplos que serão mostrados no concerto”, afirma o maestro.

Espiritualidade e perdas – O tom espiritual das obras tocou tanto o maestro quanto a coreógrafa para a criação de “Momentum”. As perdas recentes do pai de Marcelo e da mãe de Pammela acabaram influenciando o concerto, que virou uma forma de homenagear estes entes queridos e dialogar de forma artística com a ideia geral da perda, do processo de luto. “Como a Pammela também havia perdido alguém recentemente, acabamos nos inspirando nesse momento para a criação do concerto e para falar desse sentimento de forma mais abrangente”, diz o maestro Marcelo de Jesus.

Professora e ensaísta do Balé Experimental do CDA desde 2014, Pammela criou sua primeira coreografia ao se inspirar na mitologia grega e no estudo das etapas psicológicas do processo de luto. No total, 13 bailarinos entram em cena a partir da terceira obra de Pärt. “Sempre ocorre no calendário dos Corpos Artísticos estas oportunidades de parceria. Dessa vez, tive a chance de criar a coreografia para o espetáculo e me surpreendi como o tema das músicas quando ouvi, pois ainda não conhecia os compositores e o tema me tocou da mesma forma que atuou sobre o maestro Marcelo de Jesus sem nunca termos conversado antes”, comenta Pammela.

Coreografia – Para falar da breve existência humana, Pammela trouxe as três figuras que tecem os fios do destino da humanidade segundo a mitologia grega, as Moiras, cada uma responsável pelo passado, presente e futuro do indivíduo, em seguida, a dança apresenta as etapas do processo de luto: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação. “As coreografias são circulares, trabalham muito o alinhamento e, em relação a movimentação, trago muito a torção do corpo na primeira parte. A partir da apresentação dos estágios do luto, os movimentos começam a ser mais simbólicos, como tomar uma benção, ou dar um abraço”, ressalta a coreógrafa.

Os bailarinos também vão trabalhar com cordas durante a apresentação, que representam o fio da vida a cargo das Moiras. Em dado momento da coreografia, as cordas formam figuras. “Uma das figuras é um terço, que está profundamente ligado à minha mãe, que era muito religiosa. Acredito que o espectador poderá ter reflexões e visões diversas durante o espetáculo”, revela Pammela.

Apresentações – “Momentum” estreia nesta sexta, mas também será apresentado junto ao espetáculo “Pássaro de Fogo”, do Corpo de Dança do Amazonas, com coreografia de Sumaia Farias, no sábado (1/12), às 20h, e no domingo (2/12), a partir das 19h, no Teatro Amazonas.

FOTO: MICHAEL DANTAS/SEC

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here